segunda-feira, 26 de novembro de 2007

bateria

Do Claustro
Dou sorrisos
Dou gemidos
Dou suspiros
Estertores
Do Claustro
Me procuro
Me desnudo
Desabo
Do Claustro
Os meus berros
Os meus medos
As minhas dores
Do Claustro
Inundo
Meu mundo
Verdades
Do Claustro
Das dores abertas
Das fadas escondidas
Concreta
Do Claustro
Do Clown
Da essência

Por Carolina Mesquita

2 comentários:

Ruy Jobim Neto disse...

Carolina,
sua primeira colaboração, colaboraçãozinha linda ao blog!
que coisa gostosa!
Do Claustro você se desenclausura, clarissa maravilhosa!
beijokas mil

Débora Aoni disse...

Sugiro que, sem dúvida, este poema esteja no programa da peça!
bj.